Imprensa

28/08/2015 18h32 h32
Brasil será grande exportador agroalimentar, diz FAO-OCDE

Na próxima década, o Brasil continuará sendo um dos maiores exportadores agroalimentares do mundo, apesar dos riscos, em particular ligados à demanda de importações da China, diz um informe conjunto da FAO e da OCDE, publicado na quarta-feira.

A Organização das Nações Unidas para Alimentação e Agricultura (FAO) e Organização de Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE) dedicam boa parte de seu relatório, “Perspectivas agrícolas 2015-2024″, à produção agrícola e à indústria agroalimentar brasileira.

“Nos próximos dez anos, o Brasil deve continuar sendo um dos maiores provedores dos mercados alimentícios e agrícolas do mundo, e continuará respondendo ao mesmo tempo às necessidades de sua população cada vez mais numerosa e próspera”, afirma.

Contudo, as duas organizações afirmam que “os principais riscos associados a essas perspectivas otimistas se referem aos resultados macroeconômicos do Brasil, o ritmo das reformas estruturais e os fatores exógenos, entre eles a demanda de importações da China”.

O relatório lembra que, embora o Brasil exporte seus produtos a 180 países, o essencial dessas exportações vai para um pequeno número deles.

“Enquanto, em 2000, a China era o 11º importador de produtos agrícolas brasileiros, com 3% das exportações totais, em 2013 ocupava o primeiro lugar, com cerca de 20,5 bilhões de dólares, quer dizer 23% do total”, explica.

Perspectivas positivas

O relatório faz um balanço da situação atual do setor no Brasil, avalia as perspectivas e os riscos para os próximos dez anos, e propõe estratégias em matéria de investimento e produtividade.

“As perspectivas da agricultura brasileira continuam sendo positivas apesar de uma possível desaceleração do crescimento econômico”, destaca.

“Os principais desafios concernem ao crescimento da produtividade e da produção, velando ao mesmo tempo pela viabilidade ecológica e o respeito dos objetivos nacionais em matéria de redução da pobreza e das desigualdades”, disse o relatório.

A OCDE e a FAO afirmam que o crescimento agrícola previsto no Brasil pode ser alcançado de modo sustentável, embora a oferta adicional continuará se dando mais pela maior produtividade do que pelo crescimento de um determinado setor.

A pressão sobre os recursos naturais pode ser mitigada através de iniciativas de conservação e proteção do meio ambiente, entre as quais se incluem medidas de apoio ao desenvolvimento de práticas de cultivo sustentáveis, a transformação de terras de cultivo naturais e degradadas em pastos e a integração sustentável dos sistemas agrícolas e pecuários.

Em nível mundial, o relatório indica que o aumento da produção graças aos melhores rendimentos na Ásia, na Europa e na América do Norte, e a conquista de novas terras agrícolas na América do Sul, conjugados com a queda do preço do petróleo, que incide nos custos dos fertilizantes e da energia, contribuem para o apaziguamento dos mercados agrícolas.

Estima por isso que os preços dos produtos agrícolas continuarão, na próxima década, a queda registrada há dois anos, graças à melhora do rendimento, embora não se descarte um “choque grave” que podem provocar as variações possíveis dos rendimentos (ligados ao clima), do preço do petróleo e do crescimento econômico.
Fonte/Fotos:
EXAME.com | www.exame.com.br
http://exame.abril.com.br/economia/noticias/brasil-sera-grande-exportador-agroalimentar-diz-fao-ocde

Outras notícias

28-08-2015 IPCA-15 surpreende e tem maior alta para junho desde 1996
28-08-2015 Brasil será grande exportador agroalimentar, diz FAO-OCDE
28-08-2015 Rússia abre mercado de leite em pó para empresas brasileiras
28-08-2015 Preço de alimento deve cair sem prejudicar agricultores
28-08-2015 Embrapa quer parceria para produzir bebida pró-biótica
28-08-2015 Os benefícios de 10 ervas que fazem muito bem à saúde